sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Trair.. são.

Não, eu não enlouqueci e nem esqueci o português. Queria usar um jogo de palavras mesmo. Ando pensando nisso ultimamente, devido aos inúmeros casos de traição que eu vejo acontecer no mundo. Não sou Deus e não tenho formação em psicologia, mas gostaria de entender os motivos que levam uma pessoa a trair. Mais do que isso: o que afinal configura uma traição? Conversas mais quentes no msn são traição? Ou para que essa falha seja concretizada, é necessário que o fim seja sempre na pele e na carne?
Luiz tinha um casamento perfeito. Uma mulher bonita, carinhosa e que havia acabado de dar à luz à primeira filha do casal: Maria Luiza. Os dois se amam, se respeitam e - um dado importante - fazem sexo regularmente. Mas, mesmo assim... 15 dias depois do nascimento da primogênita, ele se via atraído por outra pessoa.
Que explicação você tem para isso, Luiz? "Não tenho, não há nenhuma. E é por isso que eu não consigo entender". Nem a gente, Luluzinho.
A tal da moça também viu que ali existia algo. Não deu outra. Eles ficaram. Ela teve medo de seguir em frente. Pô, o cara é casado! Tem filha! Como eles estão hoje? Eu respondo: se falam no msn, e só. E vivem a eterna dúvida: se continuassem com essa história, onde ela poderia terminar? Qual é o fundo desse pote?
Rodrigo é noivo, mas não consegue marcar a data. Está cheio de dúvidas... e cheio de amores mal resolvidos. Trai em pensamento. Lembra das namoradas que teve e das que poderia ter. Entra em colapso. E me pergunta: "Por que eu sou assim?". E eu não sei, apenas suspeito. Ele ainda não encontrou a sua verdadeira companheira. Aquela que foi desenhada para a vida toda...
Mas e o caso do Luiz?
Complicou. Agora não entendo mais nada...!!!
Certa vez neste mesmo blog, eu tentei entender uma outra situação: Se seria possível uma pessoa amar alguém e ser completamente apaixonada por outra. É maluco, mas eu descobri que é possível. Algumas pessoas conseguem. Talvez seja o caso do Luiz... e do Rodrigo, vai saber.
É claro que existem as traições carnais. Homens são especialistas nisso. "Transei com a vizinha sim, meu amor, mas não siginificou nada pra mim". Dizem eles que separam esse lado animal do emocional com maestria. Mulheres já sentem mais para trair dessa forma, "como homens". A mulher não liga para o ato sexual em si... para ela, a primeira questão é se o cara não a ama mais. Já no homem... o balãozinho na cabeça é completamente difernte. "Será que o cara tem o pinto maior do que o meu?".
A Amanda namora por segurança. Quer ter alguém a esperando quando chega em casa. Quer a cama quente, o café na mesa. Quer comodidade. E aí.. toda vez que sai sozinha, metralha olhares alheios. E eu questiono: Amanda, você é feliz? Ela não sabe dizer. No fundo, ela sabe que esta vida está longe de ser o que ela sonhava. Mas ela encasquetou que não é possível ter as duas coisas: amor apaixonado + vida afetiva segura.
Eu disse vida afetiva segura? Pois é. Está cheio de gente que namora por causa disso, uma espécie de INSS emocional. Como se na vida alguma vez teve graça namorar, casar, noivar com alguém que a gente não ama, que a gente não sente choquinho quando vê. Isso está parecendo até campeonato de pontos corridos. É por isso que eu sempre digo que final é muito mais emocionante: porque é imprevisível.
Não tem essa de INSS emocional, nem fundo de garantia. A única garantia que você tem, ao apostar em um grande amor, é a de viver pelo menos alguns momentos de alegria suprema. Isso, eu te garanto, só a paixão é capaz de nos proporcionar.
É necessário aprender que o tombo está sempre iminente. A graça é essa. Se fosse tudo meticulosamente calculado, certamente não seria tão bom.
Trair... que verbo forte, feio, incômodo. Não tem nenhum significado positivo... é sempre uma surpresa desagradável... "foi traída pelo decote, traída pelo destino, traída pelo liquidificador, traída pelo marido...".
Trair são. Trair é múltiplo. Embora sempre tenha uma conotação péssima, ele tem milhares de variantes. Algumas até aceitáveis.
O que eu acho e sempre achei é o seguinte... trair é péssimo, deselegante, desonesto, desleal.. e vai contra qualquer princípio meu. (isso porque eu estou falando somente da questão de relacionamento... em outros âmbitos é ainda mais inaceitável para mim) Mas ainda assim, há anos eu procuro uma explicação para o tamanho deste verbo. Ele é inchado de tantas histórias... E eu realmente tento entender os motivos de cada caso que eu conheço. Julgar é péssimo. Se eu quisesse e gostasse disso, eu teria feito direito e prestado concurso. Não estou aqui para dar nenhum veredicto...
O Paulo é um ótimo exemplo. Tem namorada mas adora entrar em salas de bate papo para xavecar outras meninas. Ele tem gostos estranhos... ele é fã de cyber sex (cada um no seu quadrado, né.. rs). Mas nunca teve contato físico com outra garota. O corpinho dele é todo da Lara. E aí? Isso é traição ou é apenas molecagem, diversão?
Eu já fui vítima disso. Peguei um ex meu fazendo isso, xavecando VÁRIAS no msn. Mulheres que ele nem conhecia pessoalmente. Sabe o que ele me falou? "Ah, isso aqui é brincadeira, para relaxar, jamais sairia com elas. É hobby". HOBBY??????????????????????? Não seria melhor jogar tênis, pintar um quadro, fazer um curso de culinária indiana?
Um bom amigo me disse: "só é traição pq assim se convencionou... em certas sociedades as pessoas são livres para furunfar com quem bem entenderem". É verdade. Por que isso é o errado e o certo é você viver um amor eterno, desses com sabor de fruta mordida, como cantaria Cazuza e diria Ivy Farias, uma amiga querida que adora filosofar com letras de música. Traição, então, só estaria ligada a sentimento? Transar sem amor não é considerado?
Trair. Palavrinha sacana essa. Só de falar, já dá um arrepio na espinha. Dói o fígado. E vem a imagem de muitos casais felizes... que escondem este segredo do relaciomento moderno. A coceira que todo mundo pode até sentir um dia... O problema é que a maioria das pessoas hoje em dia coça até machucar.

5 comentários:

Marcio disse...

Trair e coçar é só começar, mas começar pode ser fácil, o difícil é parar depois. Acreditar em amores eternos é sempre muito complicado, então devemos curtir os momentos bons, viver os sentimentos felizes. Quem trai sente prazer, quem é traído sofre, mas como se resolve isso? não sei, sei que respeito é fundamental, e ser sincero, falar, contar, comentar, não saber mentir é algo muito bom, até mesmo quando se trai, traiu / falou, este deveria ser o acordo, sofrer sabendo é melhor que sofrer pensando, enfim, não traia sua mente com pensamentos errados, apenas viva;

Dona Misídia disse...

Não falei que eu vinha!? Hhauahuahuahuah...
Adoro seus posts, Frô! E - acho que já comentei isso - às vezes me assusto quando vejo que pensamos de forma idêntica em muitas coisas.
Difícil demais definir traição, ainda mais com essa tal de internet (chat, MSN, orkut).
Às vezes eu sou radical: pensou em outra pessoa ou desejou é traição! Aí eu lembro que quando namorava (e amava!) um aí, vez ou outra olhava praquele outro e pensava: "E se..."
Enfim... Difícil mesmo!
Beijo, Frô!!
(Ah!! É a Ana Laura.)

Fabio disse...

Demorou e veio um texto longo e polemico!! Como sempre, muito bom de ler... Da vontade de te ligar e ficar conversando sobre traicao, pena q eh tarde!! "Num almoco ou jantar" qualquer (rsrsrs) conversamos sobre isso...bjs e ve se nao abandona seu blog!!

eBull disse...

Joa, parabéns pelo blog. Sempre li e me mantive em silêncio, mas esse post me deu vontade de comentar.
Também não quero julgar ninguém, nem sou um entusiasta da moral em si. Aiás, só acho que a moral é boa quando serve pra alguma coisa.

Bem, fato é que existe mesmo uma tensão entre monogamia e traição. (E talvez isso seja um problema estrutural: como já disse George Bataille, "toda proibição cria sua transgressão".) Na prática, essa tensão pode provocar muita dor quando pessoas não tem certeza do que querem. Ou ainda quando fazem pros outros o que não gostariam que fizessem consigo.

Joanna de Assis disse...

Caraca, Ebull. É exatamente essa a idéia.
Adorei o seu coment! Volte sempre...
Beijinho!