segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Palavras mal ditas

Hoje eu recebi um e-mail de um internauta que me levou à reflexão. Dizia ele que não deveríamos usar, em hipótese alguma, o verbo judiar, pois ele deriva de judeus e seria altamente depreciativo à raça.
O Novo Dicionário da Língua Portuguesa, da autoria de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, define: "JUDIAR: tratar como antigamente se tratavam os judeus; fazer sofrer, maltratar, atormentar"1a. edição, página 805). O significado está claro: não há nada de pejorativo, ao contrário... serve como forma de conscientização.
Assim como judiar, muitas outras palavras que utilizamos no dia a dia têm origem inusitada. A gente fala e nem se dá conta da morfologia dela.
Quando o termo “enfezado” surgiu, definia alguém que estava nervoso por ter defecado nas calças. Ou seja, estava “enfezado”, cheio de fezes. Motivo razoável para ficar descontente, não?
Alguém se lembra de mais alguma? Não vale dizer que coitado vem de coito, heim? Olha lá...

2 comentários:

Jerônimo disse...

Oi Joanna,
Vi uma entrevista do jogador Souza, do São Paulo, sobre uma possível transferência para o Grêmio. Em um momento ele se enrolou pra responder suas perguntas aí você: "Não estou entendendo, como assim depende da diretoria? O que depende?" Praticamente um tapa na cara, do tipo: "Acorda rapaz, responde direito". hehehe. Era só pra fazer esse comentário mesmo, ia mandar scrap no orkut, mas tu não aceita "estrangeiros", hehe.
Eis o meu orkut, se quiseres só dar um oi de retribuição:
http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=13015294710636318259
Bjos e sucesso na carreira!!!

Conrado Giulietti disse...

Conheço uma em italiano, bem vulgar por sinal: incazzato. Se costuma usar quando vc tá bem P da vida. Nervoso MESMO!

Se vc levar em conta que cazzo é o que é, incazzato tem um significado um tanto quanto engraçado...